Dilma presidente

BdB

Os crimes de José Serra e Aécio Neves que Rodrigo Janot quer abafar

Conversa Afiada abre uma histórica exceção para acreditar que a Veja, o detrito sólido de maré baixa, teve, de fato, acesso à delação do empreiteiro da OAS que incrimina, de A a Z, os varões tucanos Padim Pade Cerra e Aecim, sustentáculos morais desse Golpe.

É o pessoal que prefere em dinheiro vivo !

A canoa vai virar!

Eis os trechos que tratam dos golpistas:

VEJA teve acesso ao conteúdo integral de sete anexos que o procurador-geral decidiu jogar no lixo (leia o conteúdo dos anexos ao longo desta reportagem). Eles mencionam o ex-presidente Lula, a campanha à reeleição da presidente afastada Dilma Rousseff e, ainda, dois expoentes do tucanato, o senador Aécio Neves e o ministro José Serra.

(...) Pinheiro não se limita a narrar as conexões do escândalo da Petrobras. Suas revelações incluem esquemas de corrupção em dois governos do PSDB, o de Minas Gerais, na gestão do agora senador Aécio Neves, e o de São Paulo, na gestão do atual ministro José Serra. O executivo relatou ter pago propina no valor de 3% nas obras da cidade administrativa, o complexo do governo mineiro que custou 1,2 bilhão de reais. ''A contraparte da OAS foi paga em espécie'', disse, em um dos anexos.

O dinheiro foi entregue a Oswaldo Borges da Costa Filho, a quem o empreiteiro qualifica como ''operador de Aécio Neves''. Oswaldo Borges da Costa Filho também teria custeado campanhas de Aécio, inclusive a de 2014.

No caso do ministro José Serra, as revelações da OAS remontam ao período em que o tucano era governador de São Paulo. Léo Pinheiro contou como funcionava o cartel das empreiteiras que dominava as obras do Rodoanel Sul, que custaram 5 bilhões de reais. As empreiteiras pagavam 5% de propina ao então secretário estadual de Transportes de São Paulo, Dario Rais Lopes, e ao diretor de engenharia do órgão, Maria Rodrigues. O dinheiro era repassado de duas formas. ''Parte dos pagamentos dos valores indevidos foi feita por meio da empresa Legend Engenheiros Associados'' e ''parte em dinheiro vivo'', diz Pinheiro. O valor da propina foi renegociado: ''Em 2007, por determinação do então governador José Serra, no sentido de que houvesse renegociação em todos os contratos do estado, houve uma renegociação no contrato do Rodoanel Sul com desconto do valor global de contrato de menos 4% e a globalização do valor do contrato. Em razão dessa renegociação, os valores de vantagens indevidas também foram repactuados para 0,75%''. Dario Lopes chegou a ser cotado para comandar a Secretaria de Aviação Civil do governo Michel Temer e hoje é assessor especial do ministro dos Transportes, Maurício Quintella. Maria Rodrigues foi indicado recentemente para o cargo de diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres. Com o cancelamento da delação de Léo Pinheiro, perde-se tudo isso e mais o que estiver reunido nas outras dezenas de anexos que ainda permanecem sob sigilo.

(...) ANEXO 6: Em Dinheiro Vivo

''NA LICITAÇÃO COM CONTRATO ASSINADO EM 2007 HAVIA UM CONVITE DE 5% DE VANTAGENS INDEVIDAS PARA DARIO RAIS LOPES E MARIO RODRIGUES. (...)PARTE DOS PAGAMENTOS DOS VALORES INDEVIDOS FOI FEITA POR MEIO DA EMPRESA LEGEND (...)E PARTE EM DINHEIRO VIVO''

A OAS foi ganhadora do lote cinco do Rodoanel Sul, que fazia parte de um cartel de empresas (...) . A partir de 2004 foram realizadas as reuniões para acertar a licitação na Andrade Gutierrez, pois Dario Leite, executivo daAndrade, era próximo de Dario Rais Lopes, então secretário de Transportes. (...) Na licitação com contrato assinado em 2007 havia um convite de 5% de vantagens indevidas para Dario Rais Lopes e Mario Rodrigues (então diretor de engenharia da Secretaria de Transportes). Tais valores eram ajustados por Dario Leite, executivo da Andrade, e comunicados às demais empresas consorciadas ( ... ). No ano de 2007, por determinação do então governador José Serra, no sentido de que houvesse renegociação em todos os contratos do estado, houve uma renegociação no contrato do Rodoanel Sul com desconto do valor global de contrato de menos 4% e a globalização do valor do contrato. Em razão dessa renegociação, os valores de vantagens indevidas também foram repactuados para 0,75%. Parte dos pagamentos dos valores indevidos foi feita por meio da empresa Legend Engenheiros Associados, de Adir Assad, na SPE Rodoanel Su,15, e parte em dinheiro vivo.

(...) ANEXO 7: Propina de 3% do “operador de Aécio”

``QUE HAVIA UMA NECESSIDADE DO PAGAMENTO DE UMA VANTAGEM INDEVIDA DE3% DO VALOR DA PARTICIPAÇÃO`` DE CADA EMPRESA NO CONSORCIO E QUE AS EMPRESAS DEVERIAM PROCURAR O OSWALDO BORGES PARA ACERTAR OS PAGAMENTOS. (...) A CONTRAPARTE DA OAS FOI PAGA EM ESPÉCIE. (...) SEGUNDO O DECLARANTE FOI INFORMADO, AS QUANTIAS E CONDICIONADAS AO ENTAO GOVERNADOR AECIO NEVES''

(Léo Pinheiro) foi apresentado a Aécio por Sérgio Cabral, quando este ainda era deputado estadual pelo Rio de Janeiro, em 2001. Ainda em 2001, esteve com Aécio para contribuir para a campanha de 2002 ao governo do Estado de Minas, na oportunidade em que foi apresentado a Oswaldo Borges da Costa Filho( ... ). Assim, quando da licitação da cidade administrativa de Minas Gerais, editada em 16(7/2007, o declarante determinou que fosse realizado contato com Oswaldo Borges da Costa ( ... ).

Em um dos encontros foi informado por Sergio Neves, representante da CNO, que havia a necessidade do pagamento de uma vantagem indevida de 3% do valor da participação de cada empresa no consórcio e que as empresas deveriam procurar o Oswaldo Borges para acertar os pagamentos.

( ... )A contraparte da OAS foi paga em· espécie. ( ... )Segundo o declarante foi informado, as quantias eram condicionadas ao então governador Aécio Neves. O declarante ainda tem conhecimento de que Oswaldo Borges da Costa Filho( ... ) é operador de Aécio Neves e controlador das contas das empresas do político, sendo que as contribuições feitas para as campanhas de Aécio Neves nos anos 2002 e 2006, bem como na pré-campanha eleitoral de 2014, foram realizadas com intermediação de Oswaldo.

O declarante ainda tem conhecimento de que Oswaldo Borges da Costa Filho é operador de Aécio Neves e controlador das contas das empresas do político, sendo que as contribuições feitas para as campanhas de Aécio Neves nos anos 2002 e 2006, bem como na pré-campanha eleitoral de 2014, foram realizadas com intermediação de Oswaldo. Em um dos encontros foi informado por Sergio Neves, representante da CNO, que havia uma necessidade do pagamento de uma taxa indevida de 3% do valor da participação de cada empresa no consórcio e que as empresas deveriam procurar o Oswaldo Borges para acertar os pagamentos. ( ... )A contraparte da OAS foi paga em espécie. Segundo o declarante foi informado, as quantias eram condicionadas ao então governador Aécio Neves.

O declarante ainda tem conhecimento de que Oswaldo Borges da Costa Filho é operador de Aécio Neves e controlador das contas das empresas do político, sendo que as contribuições feitas para as campanhas de Aécio Neves nos anos 2002 e 2006, bem como na pré-campanha eleitoral de 2014, foram realizadas com intermediação de Oswaldo.